3. Ligação para mais diversão

Iwata:

Então todos os Pokémon desta geração são novos, mas também tenho a impressão de que os aspetos de comunicação do jogo foram reforçados. Porque decidiste fazê-los de forma que se pudessem ligar ao computador?

Masuda:

Queria que os jogadores pudessem desfrutar de Pokémon Black Version e Pokémon White Version mesmo quando não estivessem a usar a sua Nintendo DS. Achei que os computadores eram a ferramenta perfeita para comunicação e que poderiam ser a próxima plataforma para os jogos Pokémon.

Iwata:

Ishihara-san, em que pensaste quando ouviste falar de uma ligação ao computador?

Ishihara:

Na verdade, muito do que a The Pokémon Company faz está relacionado com computadores, seja para fins promocionais ou para o Pokémon Daisuki Club11. Já andava a pensar há algum tempo sobre a possibilidade de ligar coisas como essa aos próprios jogos. Mas sabia que não iria ser fácil. 11 Pokémon Daisuki Club: Um site a cargo da The Pokémon Company. Como clube de fãs oficial de Pokémon, tem mais de dois milhões de membros no Japão.

Iwata:

Masuda-san, quando tentaste fazê-lo, foi mais difícil do que o esperado?

Masuda:

Foi. Ao início, estava só a pensar em inserir um cartão de jogo Nintendo DS no computador. (risos)

Iwata:

(risos)

Masuda:

Mas disseram-me que era impossível. (risos) Então finalmente, decidimos ligar via Wi-Fi, mas depois tivemos mais dificuldades em determinar como lidar com o mundo do computador. Demorou muito tempo até eventualmente nos decidirmos por aquilo com que acabámos, este tipo de “mundo de sonho” na Internet. Inicialmente, pensei que não estaria certo se não fosse o próprio jogador a aparecer no mundo do computador. Porque seria estranho se um Pokémon falasse.

Iwata Asks
Iwata:

Os Pokémon não costumam falar.

Masuda:

Por isso, imaginei criar um avatar, uma espécie de Mii, e pô-lo a viver num mundo. Mas depois dizia: “Espera aí...” O teu avatar no computador é diferente do da personagem principal na Nintendo DS, e, claro, também é diferente da tua pessoal verdadeira, por isso...não parecia bem articulado.

Iwata:

Por outras palavras, existiam três personagens principais.

Masuda:

Exatamente. Não me parecia bem.

Iwata:

Como resolveram o problema?

Masuda:

A ideia que nos surgiu foi a de criar um mundo no qual o Pokémon sabe que és a personagem principal. Com o conceito de um “mundo de sonho”, queria que o Pokémon pudesse falar de ti a outros, do género: “A personagem principal do meu jogo está a dizer isto e aquilo.”

Iwata:

Por outras palavras, decidiste ter só Pokémon, e não um avatar, a aparecer no mundo do computador.

Masuda:

Exatamente. É muito mais engraçado. (risos) Quando comecei a pensar sobre como lidar com este “mundo de sonho”,” a equipa de Sugimori-san tinha acabado de pensar num Pokémon que sonha e que se chama Munna, por isso decidi ligar-me a isso e construir no computador um mundo no qual os sonhos de várias pessoas estão ligados. No fim, isso tornou-se o Pokémon Dream World12.



12 Pokémon Dream World: parte do site Pokémon Global Link, acessível a partir de um computador e ligado aos títulos Pokémon Black Version e Pokémon White Version.

Iwata Asks
Iwata:

O que podes fazer exatamente?

Masuda:

Em primeiro lugar, precisas de um ambiente Wi-Fi para a tua Nintendo DS e de um computador. Quando jogas no Pokémon Dream World, podes trazer itens e bagas que adquires para a tua Pokémon Black Version ou Pokémon White Version na tua Nintendo DS. Também te permite comunicar com todos os tipos de pessoas.

Iwata:

Podes ligar-te e comunicar com pessoas em todo o mundo, não apenas no Japão, que estejam a jogar Pokémon Black ou Pokémon White, certo?

Masuda:

Certo. Assim, ao ligares os jogos ao computador, podes esperar a formação de uma grande variedade de ligações em todo o mundo e em diferentes gerações. Agora podes desfrutar do mundo de Pokémon Black Version e Pokémon White Version mesmo quando não estás a usar a tua Nintendo DS, por isso, sinto que a série Pokémon deu um passo em frente.

Iwata:

Durante quanto tempo trabalhaste nela até que tivesses visto resultados?

Masuda:

Durante cerca de dois anos.

Iwata:

Desta vez, os jogos representam dois anos de ideias. (risos)

Masuda:

Sim. (risos) Passei muito tempo sozinho a pensar nos jogos. Pensava neles quando ia para o trabalho de manhã, e quando me lembrava de alguma coisa, enviava a ideia para mim próprio com o meu telemóvel via e-mail, e lia-a quando chegava ao trabalho.

Iwata:

E ao mesmo tempo que ligaste os jogos ao computador, também adotaste a comunicação por infravermelhos para a ligação entre as unidades Nintendo DS.

Masuda:

Ao início, não pretendíamos usar infravermelhos. Mas eu queria que os jogos estivessem sempre ligados, então, logo de início fiz muitas experiências relacionadas com isso. Andava a usar ligações sem fios para enviar e receber muitos dados quando me apercebi de que a bateria só andava a durar cerca de metade do que devia.

Iwata:

Se usares a função sem fios durante longos períodos de tempo, gasta-se rapidamente.

Masuda:

Achei que os jogadores iriam detestar isso! (risos) Por isso decidi experimentar um método diferente. Quando procurava uma forma de ligar ao computador, consultei a equipa da Nintendo e alguém sugeriu os infravermelhos.

Iwata:

O cartão de jogo de infravermelhos que fizemos para Walk with me! Do you know your walking routine? 13. 13 Walk with me! Do you know your walking routine?: Software que ajuda os jogadores a registar o número de passos que dão por minuto. Os dois Activity Meters que vêm com o jogo usam infravermelhos para comunicarem com o jogo. Lançado no Japão em novembro de 2008. Não foi lançado em Portugal. Walk with me! Do you know your walking routine? foi desenvolvido pela Creatures Inc., pelo que a ligação entre a série Pokémon e a comunicação por infravermelhos é profunda. Para mais informações, consulta Iwata Pergunta: Pokémon HeartGold Version e Pokémon SoulSilver Version.

Masuda:

Sim. Descobrimos que quando combates ou trocas com alguém que está contigo, se estiverem virados um para o outro, se se ligarem via infravermelhos e depois mudarem para uma ligação sem fios, isso diminui o gasto da bateria.

Iwata:

Também achei isso interessante. Usar infravermelhos para comunicar entre consolas de videojogos é como se nunca tivéssemos regressado aos tempos da Game Boy Color. Mas se te ligares primeiro via infravermelhos quando estás com outra pessoa, virado para ela, e depois mudares para uma ligação sem fios, poderás continuar a comunicar com ela mesmo que estejam longe.

Iwata Asks
Masuda:

É difícil explicá-lo em palavras mas quando os jogadores o fizerem mesmo, acho que perceberão. Outra coisa é que antes, quando querias trocar Pokémon, ias à Union Room de um Centro Pokémon e tinhas de especificar se eras um pai ou um filho. E só podias trocar os Pokémon que tivesses contigo. Mas desta vez,

Video: mesmo quando a personagem principal está a passear pelo mundo do jogo, podes trocar com os teus amigos ligando os infravermelhos, e trocando Pokémon a partir de uma PC Box num Centro Pokémon

Então todos os Pokémon desta geração são novos, mas também tenho a impressão de que os aspetos de comunicação do jogo foram reforçados. Porque decidiste fazê-los de forma que se pudessem ligar ao computador?
mesmo quando a personagem principal está a passear pelo mundo do jogo, podes trocar com os teus amigos ligando os infravermelhos, e trocando Pokémon a partir de uma PC Box num Centro Pokémon .

Iwata:

Isso é muito conveniente! (risos) Não é a primeira vez que os Pokémon das PC Boxes saem tão facilmente e sem complicações?

Masuda:

Sim, é inacreditavelmente conveniente! (risos)

Iwata:

Porque decidiste afastar-te do sistema antigo que consistia em ir a uma Union Room e trocar apenas o que tinhas à mão?

Masuda:

Achámos que trocar deveria ser fácil para os jogos Pokémon.

Iwata:

Querias que os jogadores pudessem trocar mais facilmente.

Masuda:

Certo. Para além disso, tal como mencionei no início, queria romper temporariamente com cada aspeto dos meus preconceitos sobre o que um jogo Pokémon deveria ser, por isso estava sempre a testar coisas e a perguntar: “Se eu fizer isto, o que será que acontecerá?” Desta vez podes usar uma função sem fios e por infravermelhos chamada C-Gear. O equipamento que aparecia na série até agora era sempre algo que a personagem do jogo principal tinha à mão. Mas desta vez é diferente pois pertence ao próprio jogador, por isso, podes trocar Pokémon de dentro das tuas caixas e trocar até quando caminhas durante a tua aventura.

Iwata:

Pertence à pessoa que está a jogar o jogo, por isso, podes trocar sempre que quiseres, o mais que quiseres. O C-Gear tem uma variedade de funções e uma dela chama-se Xtransceiver14. 14 Xtransceiver: Uma função que faz uso da câmara e do microfone da Nintendo DSi/Nintendo DSi XL que permite aos jogadores conversarem com amigos com quem tenham trocado Friend Codes. (Apenas conversação por voz é possível na Nintendo DS Lite.) Enquanto conversas, podes desenhar graffiti e alterar o tom da tua voz. A conversação por vídeo é possível para até quatro pessoas através da conetividade sem fios e duas pessoas via Ligação Wi-Fi da Nintendo.

Masuda:

O Xtransceiver surgiu de uma ideia que tivemos ao falarmos com os professores no jogo. Achei que seria bom poder usar isso também na realidade pelo que comecei a experimentar um montão de coisas. Para poderes olhar para a cara de uma pessoa e falar com ela, precisas de uma câmara, e só o podes fazer na Nintendo DSi ou na Nintendo DSi XL. Mas algumas pessoas perguntaram-se se seria divertido para pessoas que estivessem juntas no mesmo local, como os quatro aqui hoje, ligarem-se sem fios, colocarem-se nos ecrãs da Nintendo DS e falarem.

Iwata Asks
Iwata:

Porque se estiverem no mesmo espaço, podem olhar diretamente para as caras uns dos outros.

Masuda:

Por isso pensei que seria divertido adicionar graffiti . Crias as cores para a caneta com um conta-gotas, mas as cores provêm da câmara.

Iwata:

Ah, estou a ver.

Masuda:

Teria sido fácil fazê-lo de forma que pudesses escolher cores de uma paleta, mas queria que fosse divertido determinar como fazer certas cores. Por exemplo, se tocares na objetiva da câmara com o teu dedo, vês cores surpreendentes. É divertido escolher coisas dessas. Da mesma forma, não colocámos fronteiras entre as fotos. Assim, por exemplo, se pegares numa foto de metade da tua cara e de metade da cara do teu amigo, consegues vê-las juntas numa só cara. Acho que será ótimo se as pessoas fizerem também este tipo de experiências.

Iwata:

Só é possível para duas pessoas, mas se usares a Ligação Wi-Fi da Nintendo, podes manter uma conversa por vídeo com pessoas que estejam longe. Ishihara-san, quando te visitei uma vez há muito tempo, mostraste-me, inesperadamente, uma demo do Xtransceiver e eu achei-o fantástico. Quando pensei nisso mais tarde, para ser sincero, perguntei-me se não estarias simplesmente a exibi-lo. (risos)

Ishihara:

Tens razão! (risos)

Iwata:

Fiquei tão surpreendido com isso que não conseguia deixar de pensar no teu verdadeiro motivo. Se isso tivesse existido quando eu era criança, teria passado muito tempo a brincar com ele.

Masuda:

(risos)

Iwata:

Quando nós éramos crianças, Ishihara-san, cada vez que alguém recebia um transcetor, era o herói de todos e jogávamos com ele todos juntos, como te poderás lembrar. Isto é como se fosse uma versão melhorada disso. Chegou o dia em que as crianças de todo o mundo podem usar facilmente um dispositivo como um telefone com vídeo. Achei que era um dispositivo de sonho.